A guerra silenciosa entre as Marketplaces

Publicado: 18 de maio de 2011 por Eduardo Castro em Android, Celulares, iOS
Tags:, , , , , , , , ,

Uma das maiores, se não a maior, disputa entre os smartphones hoje envolve as famosas lojas de aplicativos, as Marketplaces. Esse foi o grande motivo de sucesso do iPhone no mercado, o que seria dele sem os aplicativos vendidos na App Store? O símbolo da maçã em sua traseira vende aparelhos, mas não tantos. Quem são os responsáveis por todo esse sucesso dos aplicativos mobile? Quem os desenvolve? A Apple? O Google? Não, em sua maior parte os aplicativos de mais destaque nos smartphones são feitos por empresas independentes, em alguns casos por desenvolvedores independentes com uma boa idéia, talento para programação e madrugadas em claro. Não que a Apple tenha aplicativos ruins, eles possuem alguns muito bons como o Keynote, iMovie e GarageBand que são fantásticos e vendem muito bem e normalmente estão entre os aplicativos mais comprados, mas a maior parte do dinheiro movimentado na App Store não vem deles, por isso empresas como Apple, Microsoft, Google e, recentemente, a Amazon tentam manter políticas agradáveis e atrativas para os novos desenvolvedores, esses são os verdadeiros responsáveis pela revolução das Marketplaces.

É uma parceria muito lucrativa para ambos os lados. O investimento necessário para publicar um aplicativo na App Store é muito pequeno, mesmo para gigantes como a Rovio. Quanto eles gastaram para poderem lançar um aplicativo que teve mais de 12 milhões de vendas? 99 dólares anuais e 30% do dinheiro arrecadado em vendas, exatamente o mesmo que eu gastaria para lançar um aplicativo que fiz para um trabalho da faculdade. Para tornar o negócio ainda mais interessante, tanto a Apple quanto o Google e a Microsoft liberam toda a documentação necessária para o desenvolvimento de uma aplicação para suas respectivas plataformas, tudo pode ser encontrado facilmente e gratuitamente por qualquer pessoa que esteja disposta a aprender e enfrentar esse novo mercado, nunca foi tão fácil para um pequeno desenvolvedor ter a chance de crescer e publicar suas idéias no mercado de uma maneira tão simples, rápida, barata e impactante. Como tentativa de ser mais atraente, a Android Market cobra apenas uma taxa de registro de 25 dólares e mantém a mesma taxa de 30% sobre as vendas, mas mesmo assim ela ainda não atrai tantos os developers quanto a App Store, o motivo? Os consumidores. Além do fluxo de vendas da App Store ser maior, de forma geral os usuários do iOS são mais simpáticos a idéia de pagar por seus aplicativos, coisa que não acontece entre os usuários do Android que prezam tanto pela sua liberdade. Por esse motivo a Rovio optou por um novo modelo de negócios bem interessante na Android Market, lá o Angry Birds é oferecido gratuitamente mas com anúncios. Graças ao fluxo de downloads assustador que eles conseguiram, isso foi o suficiente para eles obterem um faturamento mensal milionário com o novo sistema, mesmo com o aplicativo sendo oferecido gratuitamente.

Como forma de tornar o cenário da Android Market ainda mais atraente para desenvolvedores e consumidores, liberaram um recurso para compras dentro do próprio aplicativo, o in-app purchase. Com esse recurso que as editoras exploram a venda de revistas e os desenvolvedores normalmente vendem conteúdos adicionais de seus aplicativos, como fases extras, músicas ou temas. Aproveitando esse recurso a Amazon criou sua própria loja de aplicativos para Android e a lançou na Android Market. Estranho? Um bocado, a liberdade que o Google oferece para seus desenvolvedores está se voltando contra ela mesma. Além de, inicialmente, ser mais atrativa para novos desenvolvedores a Amazon firmou uma parceria com a PopCap que deve estar fazendo representantes do Google puxarem alguns cabelos, o jogo Plants Vs Zombies que fora confirmado para Android vai ser exclusivo para a loja da Amazon durante seu lançamento, assim como o seu novo jogo Chuzzle que fora lançado hoje, e só depois de duas semanas vão ser liberados para a Android Market.

Na App Store o jogo de plantas e zumbis foi considerado pelo Guinness Book o jogo que mais faturou durante sua semana de lançamento e além disso ele também teve um grande sucesso de vendas nos computadores, graças a sua fama o mesmo sucesso é esperado para a versão de Android`s que vai ser liberada gratuitamente durante seu lançamento e após isso por $2.99 na Amazon App Store, que pode ser baixada gratuitamente por qualquer Android na Market. O jogo ainda não possui data definida, mas a PopCap afirmou que vai ser lançado ainda este mês.

É uma estratégia bem estranha essa que a Amazon está tomando e logo deve ser repreendida pelo pessoal do Google. Por esse motivo os altos investimentos que a Amazon está fazendo em sua própria marketplace reforçam os boatos de que eles estão preparando sua própria linha de tablets e, por que não, celulares com sistema Android. Como o código do Android é liberado gratuitamente e alterações são permitidas, eles podem facilmente integrar sua App Store com seus aparelhos sem maiores problemas com o Google, algo parecido com o que a Samsung, mas sem essa escala de investimento, com a Samsung Apps.

via TechCrunch

Anúncios
comentários
  1. Elio Gavlinski disse:

    Eduardo, este post ficou bem mais bacana que os últimos (que eu li), com conteúdo mais rico e consequentemente mais interessante. Porém, você ainda comete erros feios de português, tornando a leitura confusa. Os parágrafos estão muito extensos. Um leitor mediano jamais leria o post até o final, na metade do texto já teria desistido. As ideias (não tem mais acento no “é”) poderiam estar melhor organizadas, talvez com subtópicos ou trechos mais importantes realçados em negrito. O post acaba de repente sem nenhuma conclusão, o que não é bom. O rumor do lançamento de um hardware da Amazon, que é uma opinião do TechCrunch que você defende, deveria ter sido mais destacada ao invés de ficar lá no finalzinho jogada como de fosse por acaso. Você perdeu a chance de surpreender o leitor e fechar o post em grande estilo. Outra coisa que não concordo é com o termo “marketplace” para se referir às lojas de apps: o nome para isso é app store, mesmo que a Apple insista que “a App Store” é só a loja dela. Mas não desanime! Tenha em mente estes conselhos ao escrever os próximos textos e peça para alguém revisar antes. Um post bem escrito pode fazer toda a diferença entre ganhar ou perder visitantes. Falou!

  2. Eduardo Castro disse:

    Anotei rs. Uma amiga minha que faz jornalismo topou ser editora do site, vamos passar a enviar os textos para ela fazer uma revisão e dar uma organizada antes de posta-los. Não sei se vai ser viável, mas vamos fazer uns testes. Vou treinar isso de tentar montar uma introdução, desenvolvimento e conclusão(me sinto de volta ao ensino médio com as aulas de redação haha), obrigado pelas dicas :D.
    Quanto aos boatos, não é só uma opinião do TechCrunch. O próprio diretor da Amazon se manifestou em relação ao interesse deles de concorrerem com o iPad e pedindo para o público ficar atento, que deve rolar alguma coisa nos próximos dias. Enfim, assim como o TechCrunch eu também acho que eles devem investir nesse mercado por conta desses pronunciamentos e da Amazon App Store.

  3. Eduardo Castro disse:

    E muito obrigado pelo comentário, mais uma vez 😀